O museu não detém a propriedade de direitos autorais e não se responsabiliza por utilizações indevidas praticadas por terceiros. Saiba mais


Padrões e Molduras
Número / Identificador:
P-17-01009
Módulo:
2x2/2
Designação:
Justificação:
SIMÕES - Az. Séc. XVII, tomo I, 1997 [1971], p. 44
Nota descritiva:

Padrão em tons de azul e branco, de contorno azul, com um centro e dois elementos de ligação alternados. O centro é constituído por reserva de oito lóbulos semicirculares que inscreve flor formada por duas camadas de pétalas semicirculares e lanceoladas, em azul com rebordo branco. Desta projectam-se hastes com flores de cálice intercalando conjuntos de três folhas trifoliadas azuis. Os elementos de ligação formam reservas de oito lóbulos, com quatro semicirculares que se entrelaçam na reserva do centro, e os restantes aguçados. Circunscrevem alternadamente, em faixas horizontais, dois florões de acanto recortados, um a azul e outro branco com centro em estrela e pétalas rematadas por contas azuis.

NOTA: Conhece-se pelo menos uma variante de aplicação em que os florões de acanto dos elementos de ligação são todos em azul. Até ser possível comprovar que se trata de um novo padrão e não apenas de uma montagem usando somente um dos azulejos do padrão, optou-se por não atribuir novo número de catálogo.

Inspirado em motivos chineses, este padrão ficou conhecido como “camélia” e foi um dos mais comuns na azulejaria portuguesa do século XVII, sobretudo no terceiro quartel da centúria (1650-1670) (SIMÕES – Azulejaria em Portugal no século XVII, Tomo I, p. 44). O motivo principal resulta da estilização de uma flor – peónia ou rosa –, que se abre em várias camadas de pétalas e cuja dimensão parece ser proporcional à passagem do tempo, uma vez que os exemplares mais próximos do final de Seiscentos ou já do início do século XVIII apresentam a “camélia” cada vez mais reduzida e envolta por uma profusão de folhagens (PAIS - Padrões (ainda) imprecisos (...), p. 144). A variante em tons de azul e branco aponta, todavia, para uma cronologia mais próxima do final da centúria ou mesmo para uma produção já do século XVIII, acompanhando a crescente predominância destas tonalidades na azulejaria portuguesa. O P-17-01009 tem ainda a particularidade de inscrever elementos que recordam as laçarias.

Ritmo Visual:
Em repetição o padrão permite a observação de três ritmos: vertical, horizontal e diagonal.
Classificação:
Produção:

Portugal/Lisboa/Lisboa

Datas importantes

Iconografia

Sobre a ficha

A carregar...

in web Acesso Online ao Património. Sistemas do Futuro